Blog do PAULO MELO

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Peemedebistas organizam dissidência para apoiar Campos

Coordenado pelo senador Jarbas Vasconcelos(PE), um grupo de parlamentares do PMDB se organiza para fundar uma dissidência formal dentro do partido para apoiar o pessebista Eduardo Campos na corrida presidencial de 2014. "Queremos fazer um manifesto formal de apoio a Eduardo", disse Jarbas ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

Jarbas realizou ontem em sua casa um jantar com os parlamentares que inicialmente integram o grupo. São eles os senadores Pedro Simon (RS), Waldemir Moka (MS), Ricardo Ferraço (ES) e Luís Henrique (SC) e os deputados Raul Henry (PE), Danilo Forte (CE), Fábio Trad (MS), Geraldo Resende (MS), Darcísio Perondi (RS) e Osmar Terra (RS). Segundo Jarbas, a conversa "fluiu bem" e todos do grupo já fecharam apoio, à exceção de Luís Henrique. Ele ainda penderia entre apoiar Campos ou Aécio Neves (PSDB).

O grupo de insatisfeitos com o governo Dilma Rousseff (PT) teria escolhido Campos principalmente por ele ter um discurso de reconhecimento de avanços tanto no governo Fernando Henrique, do PSDB, como no governo Lula, do PT. A terceira via proposta pelo pessebista seria mais interessante para o grupo por ter um leque mais amplo de diálogo no cenário político.

Segundo Jarbas, o que prevalece é um amplo senso de rejeição a um segundo mandato de Dilma. "As coisas sofreram um hiato (após os governos FHC e Lula) por causa da incompetência da presidente da República", disse. "A Dilma, para nosso grupo, se exauriu, seu governo está em decomposição", complementou o senador.

Questionado pelo Broadcast Político sobre declarações anteriores de Campos e de sua vice na chapa, Marina Silva, de que em um governo deles o PMDB seria oposição, Jarbas diferenciou seu grupo, dizendo que ele é composto por parlamentares do "PMDB autêntico, que tem história, compromisso e ética". Jarbas acrescentou que não houve qualquer restrição ds membros à figura de Marina.

Em entrevista ao Broadcast Político, o próprio Campos havia mencionado nomes da lista de dissidentes do PMDB, reforçando que a essa base interessaria a proposta articulada por PSB e Rede nesta campanha presidencial. Na próxima semana, o Jarbas organiza um jantar, provavelmente na quarta-feira, 14, com objetivo de reunir formalmente o grupo com Campos. Segundo Jarbas, a ideia é que o número de deputados da dissidência chegue a 15. Já o número de senadores, se Luís Henrique se decidir pelo apoio ao PSB, deve ficar em cinco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MAIS VISTAS