Blog do PAULO MELO

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Messias de Souza comemora aniversário hoje com amigos no clube AABB

Hoje, queremos parabenizar o Administrador de Brasília Messias de Souza do (PCdoB), pela passagem de seu aniversário, e por suas grandes conquistas para Brasília.

Logo mais a noite, o Prefeito de Brasília estará recebendo os seus convidados no clube da AABB, onde seus amigos estão preparando uma grande festa a partir das 19h30min, em frente a prefeitura municipal.

Segundo uma fonte deste portal o aniversário do administrador a participação de vários artistas do Distrito Federal.

Se apresentarão os amigos do administrador Banda Coisa Nossa, DJ,s criolina, Pedro Paulo e Matheus dentre outros cantores, bandas e DJ´s.

 Ao Administrador de Brasília Messias de Souza do (PCdoB), parabéns pela passagem de seu aniversário, e por suas grandes conquistas para Brasília.

Logo mais a noite, Messias de Souza estará recebendo os seus convidados no clube da AABB, onde seus amigos estão preparando uma grande festa a partir das 19h30min na AABB.

Segundo uma fonte o aniversário do administrador terá  a participação de vários artistas do Distrito Federal.

Se apresentarão os amigos do administrador Banda Coisa Nossa, DJ,s Criolina, Pedro Paulo e Matheus dentre outros cantores, bandas e DJ´s.


segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Eliana Pedrosa no PPS não será candidata a nada

Caso a deputada distrital Eliana Pedrosa (PSD), realmente vá para o PPS, uma má notícia para seus planos de ser ungida candidata do partido ao governo do Distrito Federal a aguarda: ela pode ser engessada pelos interesses nacional de Roberto Freire.
Depois de frustrados os planos de fusão entre PPS e o PHS e também a filiação do ex-governador de São Paulo José Serra para disputar a presidência da República, Freire — que foi eleito deputado federal por São Paulo num acordo com Serra — transfere novamente seu domicílio eleitoral para Pernambuco. De acordo com uma fonte ouvida pelo portal na sexta-feira, 23, o governador pernambucano Eduardo Campos e Freire, selaram um acordo de união. Eduardo ajuda Freire na busca pela reeleição e o PPS apoia o PSB nos Estados.
Se realmente concretizar este pacto, dificilmente Rollemberg vai colocar Eliana como vice, já que ele luta com todos os argumentos para ter o deputado federal An­tônio Reguffe e o senador Cristo­vam Buarque como aliados. 
As chances de Rollemberg colocar Eliana Pedrosa na chapa majoritária é próxima de zero. Por isso, se ela realmente for para o PPS, pode adiar mais uma vez o sonho de disputar o Palácio do Buriti. 
Já o presidente do PSD, Rogério Rosso trabalha de sol a sol filiando lideranças que pode se tornar bons nomes para as câmaras Legislativa e Federal.

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Arruda pode ser candidato a distrital














Depois que o jornalista Cláudio Humberto publicou no seu portal, Diário do Poder na sexta-feira, 9, a informação de que Arruda já estaria com um pé na porta do PR de Valdemar Costa Neto, fervilharam  dezenas de especulações. Duas são relevantes. Uma é que “se Arruda entrar por uma porta, por outra sairá o deputado federal Ronaldo Fon­seca, presidente regional do partido no DF”, como registrou Cláudio Hum­berto. A outra, é que Arruda po­de ser candidato a deputado distrital, formando ao lado dos eleitos pelo empresário e ex-senador Luiz Estevão, uma grande bancada distrital. “Deputa­dos distritais têm mais força política do que um federal. Eles são os verdadeiros mandatários do Palácio do Buriti, mas não acredito muito nesta estratégia. Pes­quisas mostram que 90% dos brasilienses tomaram conhecimento da Opera­ção Caixa de Pandora. É aí que o bicho pega para Arruda”, conta um congressista do DF ao portal.

Se Arruda realmente perceber que não terá chances numa disputa para o Palácio do Buriti, “sem mandato ele não fica”, garante um arrudista. Nesta equação política, entraria o deputado federal Luiz Pitiman (ainda no PMDB). Pitiman é de longe o parlamentar que mais conversa com Arruda. “O ex-governador gosta do estilo dele e acredita que Pitiman pode ser uma surpresa no cenário de 2014”, conta a fonte.

Se realmente acontecer este exercício de futurologia no qual Arruda disputa uma vaga na Câmara Le­gis­lativa, este gesto de humildade pode ar­rastar “um caminhão de votos”, con­forme imagina a fonte do Jornal Opção. A outra possibilidade de se eleger uma bancada de três distritais, “no mínimo” está do lado do ex-vice-governador Paulo Octávio. Já tem gente dizendo que ele será candidato a deputado federal e sua mu­lher, Anna Christina Kubitschek, distrital. Anna Christina é uma mulher carismática e com luz própria. De­sen­volve um trabalho social discreto, mas eficiente nas regiões mais pobres do DF. “A Christina, se quiser, pode sur­preender muita gente que milita na política”, garante uma amiga. Pre­va­lecendo este quadro, 2014 promete muitas mudanças na política do DF.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Dr. Michel rumo a oposição

O Partido Ecológico Nacional (PEN), criado sob inspiração do governador Agnelo Queiroz para ser chamado de seu, parece que está em estado de inanição. Um dos fiéis escudeiros do Buriti, deputado distrital Márcio Michel Alves de Oliveira (Doutor Mi­chel), anda tendo saudades do tempo em que militava no PSL. Segundo amigos, Dr. Michel não esconde a decepção com “as manobras do PT para minar suas bases de apoio”.
 
Michel já pensa em trocar de legenda ou até mesmo virar oposição ao governo de Agnelo. Ele deixou isso claro na semana passada ao passar para blogs e jornais a informação de que “não vai morrer na praia”. Ele se referia à falta de interesse do governo em levar projetos para suas bases política. Para ele, acerta uma coisa com o governador e, quando a ordem chega ao determinado órgão, muda totalmente de destino.

Segundo uma fonte próxima ao núcleo de governo, o problema é que o PEN não empolgou os parlamentares que migraram para a legenda. E mais: o governador  está tendo dificuldades para atender, como os parlamentares desejam, tanta reivindicação. O pano de fundo talvez nem seja a falta de recursos, mas o problema para se reeleger ou mesmo embarcar numa legenda sem visibilidade. A pergunta mais frequente é: “O que será do PEN no DF?”

Eleição no CRM será nesta semana

O Conselho Regional de Medicina (CRM) do Distrito Federal inicia as eleições para os representantes da categoria médica nos próximos cinco anos. Três chapas concorrem: Aliança Médica (1), a Chapa do Médico (2) e a Pró-Ética (3).

A segunda tenta a reeleição. São 40 representantes de cada grupo, um deles o coordenador, entre 20 conselheiros efetivos e 20 suplentes.

O principal papel dos conselheiros escolhidos é supervisionar o cumprimento das normas da ética profissional e, ao mesmo tempo, julgar o exercício profissional do médico e disciplinar a categoria médica. Por isso, as propostas de cada chapa são extremamente importantes para definir a eleição, que será realizada nos dias 6 e 7 de agosto, das 8h às 20h, na sede do CRM.

“Queremos resgatar a imagem do conselho junto à sociedade e aos médicos. E defendemos isso, até porque somos uma parceria entre a Associação Médica e o sindicato (dos médicos), duas entidades que fazem muito pela categoria”, salienta o coordenador da Chapa 1, a Aliança Médica, Lairson Rabelo. Junto a ele, o médico Paulo Lobo defende a eleição do grupo. “Estou muito feliz com o trabalho do sindicato nos últimos anos. Tenho certeza que o trabalho dessas duas entidades vai refletir bem o que o conselho representa”, destaca.


O presidente do Sindicato dos Médicos, Marcos Gutemberg, diz que apoia a Chapa 1 pelo currículo do coordenador. “Lairson tem um histórico de realizações dentro da categoria médica. Foi presidente da Associação Médica de Brasília durante dois mandatos. É um médico realizador e deve lutar por isso à frente do Conselho Regional de Medicina. Queremos um conselho que trabalhe ao lado do sindicato. Para as conquistas dos médicos, isso é muito importante”.

Críticas e uma possível impugnação

Um dos representantes da Chapa 3, Pró-Ética, Sergio Zerbini, aponta os principais objetivos do grupo. “Nossa ideia era de ter uma Chapa independente do Conselho. E o fizemos”. O médico criticou ainda o atual conselho. “A instituição, claramente, não evoluiu bem nos últimos cinco anos e isso pesou muito para que focássemos em renovação e independência. Queremos pessoas novas, ligadas aos novos valores da medicina”, diz o médico. A coordenadora da Pró-Ética é Martha Zapallá. Outro integrante da chapa é o médico Salinas. “Ele não é cabeça de chapa e, caso a gente ganhe, não será o presidente do CRM”, disse a assessoria dele.

Reeleição


A Chapa 2, por sua vez, quer a chance de reeleição. Informações dão conta de que o grupo foi impugnado pelo Conselho Federal de Medicina por abuso de competência legal.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Procurador favorável a representações contra deputados suspeitos de corrupção foi exonerado do cargo

Retorno do recesso na Câmara tem ofensiva para salvar mandatos
Rôney Nemer (PMDB)

Em junho deste ano, o parlamentar foi condenado por improbidade administrativa e terá que ressarcir o erário em R$ 2,1 milhões, de acordo com determinação do Judiciário local. Ainda cabe recurso. Em caso de confirmação da decisão pelos desembargadores do Tribunal de Justiça do DF e Territórios, ele ficará inelegível e estará fora das próximas eleições. O deputado também é alvo da denúncia de envolvimento no suposto esquema de corrupção liderado por Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais do GDF. Responde ainda a outras duas ações de improbidade. Uma delas questiona a contratação do cantor Edu Casanova, na época em que Rôney presidiu a Brasiliatur, e a outra se refere às diárias pagas por um empresário para hospedagem em hotel na capital goiana. (Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Rôney Nemer (PMDB) Em junho deste ano, o parlamentar foi condenado por improbidade administrativa e terá que ressarcir o erário em R$ 2,1 milhões, de acordo com determinação do Judiciário local. Ainda cabe recurso. Em caso de confirmação da decisão pelos desembargadores do Tribunal de Justiça do DF e Territórios, ele ficará inelegível e estará fora das próximas eleições. O deputado também é alvo da denúncia de envolvimento no suposto esquema de corrupção liderado por Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais do GDF. Responde ainda a outras duas ações de improbidade. Uma delas questiona a contratação do cantor Edu Casanova, na época em que Rôney presidiu a Brasiliatur, e a outra se refere às diárias pagas por um empresário para hospedagem em hotel na capital goiana.

Os deputados distritais voltaram ontem ao trabalho em clima de apreensão. Na próxima quarta-feira, os integrantes da Mesa Diretora vão se reunir para apreciar o parecer da Procuradoria da Casa, que defende a reabertura de processos contra três deputados envolvidos em denúncias de corrupção. A edição de ontem do Diário da Câmara Legislativa trouxe uma novidade que elevou ainda mais as especulações em torno do caso: o procurador-geral da Casa, Sidraque Monteiro Anacleto, foi exonerado do cargo. Ele será substituído por Sérgio Luiz da Silva Nogueira, que, a exemplo do antecessor, é funcionário de carreira do Legislativo local. Sidraque e o presidente da Câmara, Wasny de Roure (PT), negam que a mudança no comando da procuradoria tenha cunho político e evitam relacionar a exoneração à emissão do parecer. Mas, por conta da tensão dos parlamentares acusados e dos colegas, o caso foi o principal assunto no primeiro dia de expediente dos deputados.

Aylton Gomes (PR)

O representante do PR na Câmara Legislativa foi condenado por improbidade administrativa, em junho deste ano, e a devolver 
R$ 2,9 milhões aos cofres públicos. Ele é acusado de ter recebido mesada em troca de apoio ao Executivo na Casa. É um dos alvos da denúncia envolvendo o suposto esquema de corrupção de Durval Barbosa. Responde ainda por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Aylton Gomes está com os bens bloqueados por decisão judicial. Se a sentença for mantida em segunda instância, o distrital ficará impedido de concorrer a novo mandato, em 2014. O parlamentar é parte em outro processo por improbidade, com oito colegas da legislatura anterior, por suspeita de ter a diária paga em hotel em Goiânia por um empresário. (Rafael Ohana/CB/D.A Press)
Aylton Gomes (PR) O representante do PR na Câmara Legislativa foi condenado por improbidade administrativa, em junho deste ano, e a devolver R$ 2,9 milhões aos cofres públicos. Ele é acusado de ter recebido mesada em troca de apoio ao Executivo na Casa. É um dos alvos da denúncia envolvendo o suposto esquema de corrupção de Durval Barbosa. Responde ainda por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Aylton Gomes está com os bens bloqueados por decisão judicial. Se a sentença for mantida em segunda instância, o distrital ficará impedido de concorrer a novo mandato, em 2014. O parlamentar é parte em outro processo por improbidade, com oito colegas da legislatura anterior, por suspeita de ter a diária paga em hotel em Goiânia por um empresário.

Aylton Gomes (PR) e Rôney Nemer (PMDB) foram condenados por improbidade administrativa em junho (leia Na mira). Foram considerados culpados de receber mesada do Executivo para votar de acordo com interesses do governo e são apontados como integrantes do esquema de corrupção liderado por Durval Barbosa. Em julho, saiu a sentença contra Benedito Domingos (PP) pelas mesmas acusações. As investigações internas contra o trio estavam suspensas havia quase três anos, sob a alegação de que seria preciso primeiro aguardar uma posição do Judiciário. As condenações motivaram representações populares, que pedem a reabertura dos processos contra Aylton, Benedito e Rôney. O caso de Raad Massouh (PPL) já está na Comissão de Ética da Casa.

Benedito Domingos (PP)

O parlamentar, que comanda o PP no DF, foi condenado por improbidade e à devolução de mais de R$ 28 milhões por supostamente ter recebido mesada em troca de apoio ao governo entre 2007 e 2009. Ele é um dos denunciados por envolvimento no suposto esquema de corrupção organizado por Durval Barbosa nesse período. O MP quer que Benedito vire réu por lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Como outros colegas, está com os bens bloqueados para ressarcir o erário de eventuais danos decorrentes de desvios de recursos. Até o fim do ano, o TJDFT deve julgar ainda uma ação penal contra o distrital por dispensa ilegal de licitação, formação de quadrilha e corrupção passiva na contratação de empresas de familiares para a ornamentação de natal da cidade, em 2008. Em caso de condenação, ficará inelegível.  (Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Benedito Domingos (PP) O parlamentar, que comanda o PP no DF, foi condenado por improbidade e à devolução de mais de R$ 28 milhões por supostamente ter recebido mesada em troca de apoio ao governo entre 2007 e 2009. Ele é um dos denunciados por envolvimento no suposto esquema de corrupção organizado por Durval Barbosa nesse período. O MP quer que Benedito vire réu por lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Como outros colegas, está com os bens bloqueados para ressarcir o erário de eventuais danos decorrentes de desvios de recursos. Até o fim do ano, o TJDFT deve julgar ainda uma ação penal contra o distrital por dispensa ilegal de licitação, formação de quadrilha e corrupção passiva na contratação de empresas de familiares para a ornamentação de natal da cidade, em 2008. Em caso de condenação, ficará inelegível.

Almoço
Na última quarta-feira, os deputados que compõem a base aliada do GDF se reuniram em um almoço com o governador Agnelo Queiroz para tratar do semestre legislativo, e o caso das representações entrou na pauta da conversa. Os distritais destacaram a necessidade de estarem unidos diante das pressões que se acentuarão com o fim do recesso. Houve um pacto de salvação. Rôney reclamou bastante da atuação de Sidraque à frente da Procuradoria e, principalmente, do parecer a favor da retomada dos processos, segundo relato de deputados que estavam na reunião.

Raad Massouh (PPL)

O caso de Raad é o único que já está na Comissão de Ética da Casa. Até o fim do mês, o relator do processo de quebra de decoro parlamentar, deputado Joe Valle (PSB), deve apresentar seu relatório sobre o caso. A expectativa é que Joe recomende a abertura de processo de cassação. Raad e outras nove pessoas são acusadas de integrar um suposto esquema de desvio de parte dos recursos de uma emenda parlamentar de R$ 100 mil. O dinheiro foi liberado pelo parlamentar em favor da Administração Regional de Sobradinho para a realização de um evento rural em 2010. Segundo investigação do Ministério Público do DF e da Polícia Civil, o deputado teria praticado crimes contra a Lei de Licitações, peculato e lavagem de dinheiro. Ele foi denunciado à Justiça, mas o Conselho Especial do TJDFT ainda não decidiu se ele virará réu. (Breno Fortes/CB/D.A Press)
Raad Massouh (PPL) O caso de Raad é o único que já está na Comissão de Ética da Casa. Até o fim do mês, o relator do processo de quebra de decoro parlamentar, deputado Joe Valle (PSB), deve apresentar seu relatório sobre o caso. A expectativa é que Joe recomende a abertura de processo de cassação. Raad e outras nove pessoas são acusadas de integrar um suposto esquema de desvio de parte dos recursos de uma emenda parlamentar de R$ 100 mil. O dinheiro foi liberado pelo parlamentar em favor da Administração Regional de Sobradinho para a realização de um evento rural em 2010. Segundo investigação do Ministério Público do DF e da Polícia Civil, o deputado teria praticado crimes contra a Lei de Licitações, peculato e lavagem de dinheiro. Ele foi denunciado à Justiça, mas o Conselho Especial do TJDFT ainda não decidiu se ele virará réu.

Ao Correio, Sidraque disse que pediu para sair e negou que isso tenha relação com a situação dos três deputados condenados. “Não ocorreu nenhuma pressão. Solicitei a exoneração por motivos pessoais”, conta o servidor, que está na Casa há 20 anos. “Quem analisou os casos foi uma colega da procuradoria. Eu só aprovei esse parecer”, acrescenta. Wasny seguiu a mesma linha. “Não foi nada político. Ele é um procurador de carreira, mas pediu para se afastar por questões familiares”, justificou.

MAIS VISTAS