Blog do PAULO MELO

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Arruda pode ser candidato a distrital














Depois que o jornalista Cláudio Humberto publicou no seu portal, Diário do Poder na sexta-feira, 9, a informação de que Arruda já estaria com um pé na porta do PR de Valdemar Costa Neto, fervilharam  dezenas de especulações. Duas são relevantes. Uma é que “se Arruda entrar por uma porta, por outra sairá o deputado federal Ronaldo Fon­seca, presidente regional do partido no DF”, como registrou Cláudio Hum­berto. A outra, é que Arruda po­de ser candidato a deputado distrital, formando ao lado dos eleitos pelo empresário e ex-senador Luiz Estevão, uma grande bancada distrital. “Deputa­dos distritais têm mais força política do que um federal. Eles são os verdadeiros mandatários do Palácio do Buriti, mas não acredito muito nesta estratégia. Pes­quisas mostram que 90% dos brasilienses tomaram conhecimento da Opera­ção Caixa de Pandora. É aí que o bicho pega para Arruda”, conta um congressista do DF ao portal.

Se Arruda realmente perceber que não terá chances numa disputa para o Palácio do Buriti, “sem mandato ele não fica”, garante um arrudista. Nesta equação política, entraria o deputado federal Luiz Pitiman (ainda no PMDB). Pitiman é de longe o parlamentar que mais conversa com Arruda. “O ex-governador gosta do estilo dele e acredita que Pitiman pode ser uma surpresa no cenário de 2014”, conta a fonte.

Se realmente acontecer este exercício de futurologia no qual Arruda disputa uma vaga na Câmara Le­gis­lativa, este gesto de humildade pode ar­rastar “um caminhão de votos”, con­forme imagina a fonte do Jornal Opção. A outra possibilidade de se eleger uma bancada de três distritais, “no mínimo” está do lado do ex-vice-governador Paulo Octávio. Já tem gente dizendo que ele será candidato a deputado federal e sua mu­lher, Anna Christina Kubitschek, distrital. Anna Christina é uma mulher carismática e com luz própria. De­sen­volve um trabalho social discreto, mas eficiente nas regiões mais pobres do DF. “A Christina, se quiser, pode sur­preender muita gente que milita na política”, garante uma amiga. Pre­va­lecendo este quadro, 2014 promete muitas mudanças na política do DF.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MAIS VISTAS